Amargo ou ao leite, em barra ou em forma de trufa, puro ou com recheio. É difícil encontrar alguém que não goste de chocolate em suas tantas variações. Amado por pessoas do mundo todo e de todas as idades, o ingrediente é usado em diversas preparações, tanto doces quanto salgadas. 

No Brasil, o chocolate é amado pela grande maioria. Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto Kantar em parceria com a Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoins e Balas (Abicab), o ingrediente faz parte da lista de compras de 82,6% dos lares brasileiros.

No entanto, apesar de tanta aclamação, há uma grande questão que gera muitas dúvidas entre os chocólatras de plantão: afinal, o chocolate é o vilão ou mocinho? Ele faz bem ou mal à saúde? Neste artigo, nós vamos te mostrar que, se consumido de forma moderada, essa delícia pode prevenir doenças e te deixar até mais feliz (creio que você já desconfie disso). 

Continue com a gente até o final e saiba os benefícios e malefícios que essa maravilha pode te proporcionar. 

Quanto de chocolate posso ingerir por dia? 

“A diferença entre o remédio e o veneno é a dose”. Você provavelmente já ouviu esse ditado que vale para tudo na vida. Por aqui, já mostramos que moderação e equilíbrio são a chave do sucesso para uma vida mais saudável, não seria diferente com o chocolate. 

Nutricionistas e nutrólogos afirmam que para obter os seus benefícios, o ideal é ingerir entre 30 a 40 g do doce por dia, o equivalente a uma barra pequena ou a quatro quadradinhos. 

Mas, além da quantidade, eles ainda alertam para a porcentagem de cacau presente nele. A recomendação é que tenha, no mínimo, 70%. Quanto mais cacau, menos açúcar e gordura o chocolate terá e, portanto, mais saudável ele será. 

Quanto mais cacau, mais saúde

Sabe aqueles chocolates ao leite ou branco que vemos no supermercado? Alguns com confeitos, outros com castanhas, frutas cristalizadas e outras gostosuras? Apesar de serem atrativos e deliciosos, eles não são os mais indicados. Isso porque, normalmente, a sua formulação apresenta uma quantidade maior de gordura, açúcar e baixa concentração de cacau. 

O cacau é o ingrediente responsável pelos benefícios que o doce proporciona. Ele possui uma boa concentração de flavonoides e antioxidantes que ajudam a combater a ação de radicais livres no organismo. Assim, quanto maior for a porcentagem, mais próximo o chocolate se aproximará do sabor original da fruta e mais nutritivo ele será. 

As opções clássicas que conhecemos, especialmente o chocolate branco e ao leite, no entanto, tendem a ter uma quantidade inferior de cacau. Já as versões meio amargo e amargo apresentam concentrações maiores.  

  • Branco: pelos especialistas, o doce na versão branca não é considerado “chocolate”. Feito apenas com a manteiga de cacau, ele é mais gorduroso e possui grandes quantidades de açúcar e leite. 
  • Ao leite: a opção tradicional do chocolate também não é a mais saudável. É composto por leite, açúcares, gordura e tem apenas 36 a 46% de cacau em sua formulação. 
  • Meio amargo: produzido com uma quantidade maior de cacau (normalmente superior a 50%), tem pouco açúcar na sua composição e, por isso, o sabor da fruta é mais acentuado. 
  • Amargo: também conhecido como “dark”, contém maior concentração de cacau, entre 60% a 85%. Além disso, leva pouca (ou nenhuma) adição de leite e possui baixos teores de açúcar. O sabor amargo se deve a grande quantidade de massa de cacau em sua formulação.

Malefícios do chocolate se consumido em excesso

Dificilmente ficamos satisfeitos com apenas um pedaço de chocolate quando temos uma variedade de sabores à nossa espera, não é verdade? No entanto, quem opta por consumi-lo diariamente em grandes quantidades e com teores altos de açúcar e gordura, está mais exposto a problemas de saúde.

Aumento de peso

Por possuir um valor calórico elevado, especialmente nas versões ao leite e branco, se consumido com frequência e em grandes quantidades pode contribuir para o ganho de peso. Especialistas afirmam que, em alguns casos, o risco de engordar fica entre dois a quatro quilos em uma semana, mas tudo depende do metabolismo de cada pessoa.

Em situações mais extremas, problemas de saúde mais graves, como hipertensão, diabetes, doenças cardíacas e outras também podem surgir. 

Insônia

Outro malefício do chocolate é a temida insônia, principalmente se consumido à noite. Além do açúcar, responsável por gerar energia extra e impedir o relaxamento, há, ainda, a cafeína em quantidades que variam de acordo com o tipo. O do tipo ao leite com 450 g, tende a ser composto por 9 miligramas de cafeína. Já do tipo amargo, 30 miligramas, o equivalente a uma xícara de chá instantâneo.

Estudos realizados pela National Sleep Foundation (Fundação Nacional do Sono, traduzido), mostram que a cafeína presente no doce pode permanecer no corpo por, em média, três a quatro horas. Se ingerido à noite, as chances de comprometer o sono são maiores.  

Problemas digestivos

O excesso de açúcar e gordura contidos no chocolate também pode causar problemas digestivos. Pesquisas feitas em 2005 indicam que para quem tem a síndrome do intestino irritável ou constipação crônica, ele não é a melhor opção. Além disso, nutricionistas alertam para as seguintes disfunções: náuseas, enjoos, refluxo gastroesofágico, gastrite e intoxicação alimentar. 

Benefícios do chocolate para você comer feliz da vida (e com moderação)

Mas calma, se você é um chocólatra assumido não precisa se desesperar. O efeito contrário do chocolate só acontece quando abusamos da quantidade e optamos pelas opções menos saudáveis. Agora, as opções ricas em cacau trazem muitos benefícios à saúde. 

Prevenção de doenças cardíacas

Enquanto os do tipo ao leite e branco são ricos em gorduras e açúcares, o amargo possui concentrações altas de antioxidantes, que protegem o coração e reduzem os riscos de doenças cardíacas.

A fonte está nos flavonoides, uma substância encontrada no cacau que diminui a pressão sanguínea e age como protetor cardiovascular.

Uma pesquisa publicada pela revista científica da Sociedade Americana do Coração, mostrou que mulheres que comem chocolate amargo até duas vezes por semana reduzem o risco de doenças cardíacas em até 33%. Em compensação, as que consomem até três porções, tem uma diminuição de apenas 26%. 

Aumenta a sensação de bem-estar

A versão amarga do chocolate (com pelo menos 70% de cacau) libera os famosos e amados hormônios da felicidade: endorfina, serotonina e dopamina. Juntos, eles são responsáveis por causar uma sensação de bem-estar, felicidade instantânea e reduzir a sensação de dor. 

Combate aos radicais livres

Os flavonoides presentes no cacau têm um grande poder antioxidante que auxilia em diversos processos no organismo. A substância combate os radicais livres – vilões do envelhecimento celular -, diminui o processo inflamatório da parede dos vasos e auxilia no controle do colesterol.

Além dos flavonoides, o chocolate contém vários micronutrientes, como zinco, cálcio, magnésio e potássio, essenciais para o funcionamento do organismo. 

Dicas para escolher o melhor chocolate

Como dissemos, não são todas as versões do doce que beneficiam a nossa saúde. Algumas apresentam altas concentrações de gordura, açúcar e pouca qualidade nutricional. Dessa forma, para obter apenas os seus benefícios, é necessário escolher opções com maior quantidade de cacau. Veja algumas dicas: 

  • Observe sempre a lista de ingredientes e opte por aqueles que têm o cacau ou a massa em primeiro na lista;
  • Em contrapartida, evite aqueles que contêm açúcar como primeiro ingrediente. Isso significa que há concentrações maiores no chocolate;
  • Escolha os que contenham o menor número de ingredientes possíveis;
  • Corra de chocolates fracionados ou com gordura vegetal hidrogenada em sua composição. 

Afinal, chocolate faz bem ou mal à saúde? 

As duas coisas, na verdade. Tudo vai depender da quantidade que você come e da versão escolhida.

Por isso, para usufruir dos benefícios do chocolate, escolha formulações que apresentem mais de 70% cacau e procure consumir entre 30 g a 40 g de chocolate por dia. Nada em excesso faz bem, mesmo as opções mais saudáveis, com altas concentrações da fruta.

Quando se trata de saúde e alimentação, não existe mocinho ou vilão. Tudo pode ser consumido desde que seja de forma moderada. Lembre-se disso 😉

Continue nos acompanhando aqui e em nossas redes sociais para dicas de como ter uma vida mais saudável. 

18 de novembro de 2021 — BOLD Contato